sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

eleições norte americanas











https://youtu.be/hrFTPlrHTS0

Adriele Souza
Emanuele Barreto
Juliana Velasco
Taylane Tavares
Jerfesson Silva

O Posicionamento Político da Mídia

CEPESF
Turma: 3 B-V
Aluno (a) Marilane Moura
Pedro Augusto
Raquel Rebeca
Tailane Santana





Ascensão do terrorismo na Europa

domingo, 27 de novembro de 2016

A RETOMA DO CONSERVADORISMO

Aline Roque
Bárbara Raiane
Camila Santos
Jamile Araújo
Sarinne Pires
Thais Alcântara

RESUMO: O artigo a seguir tem o intuito de nos fazer compreender de forma mais ampla o comportamento do conservadorismo nos dias de hoje, além de discutir alguns traços.

PALAVRA – CHAVE: pensamento conservador, ultra direita, lideres conservadores.

INTRODUÇÃO

O conservadorismo se resume em guardar, respeitar e proteger tradições, valores religiosos e nacionalismo. O livro “como ser um conservador” de Roger Seruton argumenta que somos todos herdeiros de coisas admiráveis e que devemos nos empenhar para preservar, além de afirmar que a alternativa para o socialismo revolucionário é o conservadorismo. Já o livro “as ideias conservadoras” Coutinho trazem pensamentos do maior referencial do conservadorismo, Edmund Burke.

Ultra direita

A esquerda e direita surgiu na política com a revolução francesa, delegados com igualitarismo e reforma social, acomodavam-se a esquerda do rei e delegados com aristocracia e conservadorismo a direita do mesmo, por volta do séc.XIX, a diferença entre esquerda e direita na Europa, foi incluída com distinção entre liberalismo e conservadorismo. O surgimento das ideias reformistas da social -democracia no final do séc.XIX e a revolução Russa no período de 1917, põem limite nos interesses burgueses, na centralização ideológica da direita e dos trabalhadores, na centralização ideológica da esquerda e na política, conservadores e reacionários se mantiveram no campo ideológico da direita, que defendem mudanças estruturais que resultam em perda de poder econômico e político. Por conta da extrema-direita no Brasil, nós temos uma ação integralista brasileira (AIB), que foi uma organização política criada em 1932, comandada por Plínio Salgado, que ficou conhecido como movimento fascista no Brasil, um dos principais objetivos da organização era acabar com os comunistas e com muitos outros partidos políticos. Atualmente a mídia com suas mensagens e filosofia sustentam ideologias para o campo ideológico da extrema-direita. Por outro lado, os opositores à esquerda, são vandalizados, estigmatizados e caricaturados pela mídia nos programas diários ou editoriais “jornalísticos”. A ultradireita e associada a pessoas ou grupos nacionalistas extremados, xenofóbicos, racistas, fundamentalistas religiosos ou com visão racionaria alguns movimentos de ultradireita busca a opressão e genocídio contra grupos de pessoas com base na sua suposta inferioridade.
Conservadorismo X Crise de 1929 e 2008

Na crise de 29 a união soviética não sofreu intensamente como os países industrializados na época como Alemanha e EUA, foi onde o movimento de extrema direta ganhou força. Atualmente o desemprego e os imigrantes somados com a crise de 2008 puderam trazer à tona suspiros desse movimento de extrema direta. A crise de 29 e a questão da nacionalidade foram importantes para a ascensão do nazismo e do fascismo, não deixa de ser preocupante que a extrema direita possa voltar a crescer com problemas similares.

Conservadorismo No Mundo Atual

O conservadorismo atual surge em reação a quê? Em consequência de quê? O caso Trump e emblemático, ele venceu apelando ao sentimento nacionalista do povo Americano. Outra coisa e a cultura armamentismo nos EUA, muito forte Hillary sinalizou que controlaria a venda de armas no pais e perdeu votos por causa disso. Existem também as regiões com altos índices de desemprego, descontente com os democratas e que votaram em Trump. Há uma série de questões. No Brasil, por exemplo, Bolsonaro ganhou muitos simpatizantes por causa da decepção de muitas pessoas com o PT, com a corrupção. O nacionalismo por exemplo segundo fatores históricos, surgiu de setores conservadores, na aristocracia alemã nos séculos XIX principalmente que não se davam muito bem com as ideias liberais da burguesia.

 No caso da extrema direita europeia atual, existem causas que faça vim acontecer essa ascensão, como a questão dos imigrantes e o aumento do desemprego, circunstâncias bem semelhantes que levaram o fascismo e o nazismo ao poder, embora naquela época obviamente a conjuntura internacional fosse bem diferente. Por isso, mesmo não tendo uma relação objetiva entre o conservadorismo e a extrema direita, há elementos do primeiro na segunda o que os leva a flertarem, até porque eles têm inimigos em comum. Podemos ver nos dias de hoje, que a china está prestes a se torna a maior potência econômica do mundo em meio à crise (2008), porém o acordo bilionário feito com a Rússia em relação ao gás e isso está ligado também com a estrita relação da Rússia com a união europeia e os EUA.

Na França, a frente nacional, um partido de extrema direita, tem ganhado popularidade contra as promessas que não foram cumpridas da esquerda durante a gestão de Hollande. Os nacionalistas querem acabar com a união europeia afirmando que a mesma trava o crescimento econômico dos países aliados, querem acabar com os benefícios sociais públicos como saúde, educação, e seguro-desemprego, mas isso não significa redução do papel do estado, significa apenas uma revogação de direito de políticas sociais. Ainda e muito cedo para dizer ao menos aonde isso vai parar e aonde os projetos expansionistas da Rússia vão chegar, mas o mais preocupante e que isso revela que o fascismo está vivo como estado de espirito e em perfeitas condições de chegar novamente ao poder.

Líderes Conservadores

Bolsonaro – Manifestações de junho 2013, um forte clima político de descontentamento com todos os partidos emergiu e ganhou a adesão principalmente das classes medias. A partir de 2015, com o avanço da lava jato e o descrédito em que caiu virtualmente todo o campo das esquerdas foram elas que capitanearam as manifestações anti-Dilma e deram o tom do mal-estar geral que culminou no impeachment. Frente ao cenário de crise política e econômica, a extrema direita voltou aos holofotes. Inicialmente, ela queria uma intervenção militar, mas como as forças armadas não lhes deram atenção, tentaram encontrar uma figura forma reverbere seus ideais. É aí que entra Bolsonaro, apesar da completa inabilidade política e do jeito patético, Bolsonaro ocupa a lacuna de liderança que a extrema direita queria preencher. Ele ganhou notoriedade unicamente por causa de suas opiniões visceralmente antipetistas na imprensa. Já vociferou contra mulheres, contra homossexuais e imigrantes. Ganhou as manchetes quando disse para uma deputada petista que “só não a estupraria porque ela não merecia”, e quando chamou os refugiados que chegavam ao Brasil de escória do mundo, numa ilusão a imigrantes sírios, haitianos e bolivianos. Em uma ocasião em que chegou a trocar empurrões com o outro deputado da câmera, Bolsonaro alegou que os militares livraram o Brasil de uma ditadura.                                                                                                                                      Margaret Thatcher – Na noite do dia 11 de fevereiro de 1975, a química com os seus 50 anos foi eleita pelos tories, presidente do partido conservador britânico. Essa noite ficou conhecida como “noite das facas longas” pelo simples fato de eles terem elegido Margaret, preterindo Edward Heather. A partir daí o governo trabalhista (labour), pensará agora que os conservadores jamais venceriam com uma mulher na liderança. Apesar de qualquer duvidas ou incertezas dentro do próprio partido, ela sempre se impulsionava, ela foi a primeira-ministra do Reino Unido, sua vontade era de reduzir o direito de greve e eliminar direitos dos representantes de operários em empresas, essa política ficou conhecida como “linha-dura” e apelidou a Thatcher “dama de ferro”.  Por volta dos séculos de 1990, com grandes receios os conservadores começaram a debater sobre o seu papel nas políticas sócias e europeias, então assim Thatcher renunciou a chefia do governo como a dos Tories. Dois anos se passaram e ela recebeu o título de baronesa e ingressou na casa dos Lordes, onde não cansará de reclamar do seu sucessor, John Major. Em 2000 ela foi homenageada como a melhor chefe de governo ao lado de Winston Churchiil.                                                                                              Donald Trump – Ele não é um intelectual, ele é apenas um homem pratico, para uns ele é extremamente conservador para outros ele é só humanista, tentar entender um homem com princípios ideológicos e teorias rígidas e a receita exata para o fracasso, Trump não e considerado um “conservador moderno”, nem muito menos “liberal”. Donald Trump por suas ações se torna um homem muito polêmico e não bem visto aos olhares de alguns, João Luiz Mauad, dispara contra ele. “Já falei aqui da xenofobia atávica de Trump, que julga os latinos e o mulçumanos seres inferiores, portadores de uma índole intrinsicamente criminosa. ”  

Podemos ver alguns trechos machistas de Donald Trump antes de ser eleito. “Mulheres devem ser julgadas pela aparência”, ou seja, para ele as mulheres devem seguir um único padrão de beleza, caso contrário são condenadas a serem feias, ou esta outra “idade limite para mulher e 35 anos”, Trump afirma que 30 anos e idade perfeita para as mulheres e que ao chegar aos 35 elas deveriam “sair de cena”.                                                                      

Todos são conservadores mais de formas diferentes, até por que o conservadorismo não é homogêneo, ele só assume feições diferentes, dependendo do contexto e do perfil de seus representantes, e esses líderes deixam de certa forma bem claro suas posições, mas a verdade é que os lideres conservadores, trazem argumentos fortes, porem esses mesmos não passam tanta confiança, o que acaba gerando uma pequena incerteza, se é ou não o caminho ideal a ser seguido.

Conclusão -  com esse artigo concluímos que ser conservador é um tanto quanto difícil hoje em dia mais que parte dos conservadores conseguem levar isso muito, é tanto que o novo líder dos estados unidos atual, é um grande conservador, porem muitas vezes o conservador acaba exagerando com suas teses e pensamentos, O que os tira da razão.         

REFERÊNCIAS:


     





https://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/2013/05/ser-conservador.html                          








POSICIONAMENTO POLÍTICO DA MÍDIA

POSICIONAMENTO POLÍTICO DA MÍDIA




Marilane Moura
Pedro Augusto
Raquel Rebeca
Tailane Santana




PALAVRA-CHAVE: Rede Globo, influência, politica, mídia e democracia.

Introdução

A mídia é uma interessante fonte de comunicação, dita no dia a dia das pessoas. Nesse caso, é perceptível sua influencia no que se refere a prover determinados candidatos motivando a população. A manipulação feita pelos candidatos através da mídia já é antiga, pois nas eleições de 1989, enquanto havia uma disputa entre Fernando Collor e Lula. Temos claramente a influencia de uma das maiores mídias brasileiras que é a Rede Globo, fazendo com que Collor aumentasse o seu tempo de fala diminuindo o tempo de Lula. Na época os eleitores só tinham acesso a mídia, certamente se deixou levar pela sugestão da emissora de TV, já que não havia outra escolha.
A grande mídia se partidarizou e se modificou respectivo e importante farsante política. A aflição que a imprensa abordar, em sucessão da circulação digital, está provocando o seu aspecto com forma alterada de sobrevivência. A nova mídia está dissolvendo o poder histórico da grande mídia e transformando os criadores de ideias clássicas no papel da edificação da ideia pública.

Política Nacional e a Rede Globo

 O paralelismo político é determinado desta maneira mais exato da essência e grau do relacionamento mantido entre os meios de acesso de volumes partidários e organismos políticos. Ou de modo geral dessa maneira a dimensão pela qual o processo de mídia reflete a repartição políticas atual no interior da comunidade.   Na Europa, o jornalismo teve origem e evoluiu executando um papel essencial no auxilio de ações políticas e religiosas. No inicio, o jornalismo mostrava um grande paralelismo político. O New York Times no enredo americano é um jornal, mas não deve ser confundido como porta-voz do Partido Democrata. No entanto é essencial ressaltar que a percepção do paralelismo político está vigorosamente estruturada ao intelecto de variedade externa e interna, pois se relata, sobretudo, à vocação de cada grupo da mídia em reproduzir de forma compatível a variedade das administrações políticas presentes na sociedade. A interferência da mídia na política, a fácil visualização  de militantes e políticos nos programas de rádio e TV e nos jornais, a presença de críticas e análises apontam influenciar no ponto de vista público em desvantagem de informações equilibradas.  Esse informativo tem sido sucessivamente utilizado entre nós para supervisionar e investigar a atuação da mídia. No entanto, com a restrição de costumes, estas comparações não englobam um conceito subjetivamente ou superior restringidos a eventos eleitorais isolados.  A atuação da mídia em três fases políticas diferentes. A mídia brasileira de 1960 era limitada à imprensa escrita e ao rádio, no qual se sobressai os portadores relacionados ao grupo Diários Associados eram extremamente frágil do ponto de vista comercial e submetido a simpatias públicas. Com o país vivendo mesmo um iniciante sistema de industrialização e o comercio publicitário, o renumeração dos veículos deriva exclusivamente dos anúncios populares de repreensão do comércio, e resulta ainda dos empréstimos bancários públicos, subsídios para adquirir o papel, justiça fiscais e da publicidade oficial. Contraditório, apesar desta fragilidade econômica e degradante, como não lembrar uma grande imprensa chamada Abreu, que surgiu na década 50 e 60 que tinha um alto nível de comprometimento e participação nos combates políticos da época, distintos pela competição entre varguistas e anti-varguistas do ponto de vista adepto a partir de 1946, entre o PSD e a UDN. O paralelismo político, quando ocorre, se dá objecção ao regime militar, e não em torno dos interesses partidários. Este tempo foi especificado por um grande sistema de mídia, pela elevação da televisão como um essencial veículo de massa. A fundação da Embratel em 1965 e a fixação da rede de telecomunicação ampliaram nacionalmente as redes de televisão, até então de conquista exclusiva regional, e modificou instantaneamente a Rede Globo para a principal rede nacional.
 Nas eleições de 1989 e 1994, que estabeleceu um moderno tipo de centralização eleitoral, entre o PT e o PSDB, os dois com origem de esquerda, a imprensa apresentou um papel principal no episódio do impeachment do Collor. De acordo com o entendimento da sua ligação com o grupo político no novo período democrático, Depois a imprensa durante todo o episódio não só programou o debate político, mas também se tornou um dos importantes atores da crise, incriminando o governo, motivando a proposta pública e botando em pauta o impeachment. Neste processo indicado, sobretudo, pelo jornalismo investigativo, a doutrina liberal do jornalismo se responsabilizou em observar e supervisionar sistema político. Com o lançamento do Plano Real no período do governo Itamar Franco 1992 a 1994, a grande mídia auxiliou com entusiasmo a capacidade econômica de fixação monetária. Com a contribuição da mídia logo se tornaria uma aliança eleitoral aberta. Ainda assim esta aliança não se deu mais em um quadro de intensa divisão ideológica. Agora, com dois candidatos de esquerda, mas em ligações distintas, o conflito se deu, sobretudo, num debate sobre o plano de fixação monetária e o argumento dos esquemas do governo, que mais uma vez contrariam ideias nacionalistas às mudanças liberais. Essas questões juntamente com a queda financeira internacional que se propagou em muitos países eram presentes nas eleições de 1998. Do mesmo modo, só que agora com um inevitável acréscimo da visualização do presidente-candidato e candidato-presidente por conta da queda financeira, a grande mídia aprimorou a base eleitoral a FHC por meio dos editoriais e argumentos. Apesar das escolhas políticas, a cobertura eleitoral de 1994 apresentou uma grande estabilidade entre as informações oferecidas aos candidatos. Ainda que a variedade externa seja um obstáculo crítico em relação ao sistema de mídia, a variedade interna mostrou ser uma política editorial determinada nos importantes jornais do país. Ao contrário dos jornais, apresentou grande desigualdade de atuação no jornalismo. A televisão investiu monotonamente na execução de debates entre os concorrentes em uma cobertura jornalística que resultou alta visibilidade aos dois concorrentes e, uma frequência estável nas junções dos telejornais. No entanto, em 1998, a eleição presidencial se tornou quase que invisível na TV, já que a Rede Globo estreou a campanha eleitoral em seu jornalismo e não foi executada uma discussão entre os concorrentes nas redes nacionais. Evidentemente, é desnecessário falar que esta ocultação das eleições levou o concorrente à reeleição. As tendências constatadas nas disputas anteriores foram investigadas em 2002, quando quase todos os jornais deram uma conversação estável aos concorrentes finalistas, Lula e Serra.

Grande Mídia x Nova Mídia

O termo grande mídia vem do latim médium  que é entendida como o grupo das instituições que utilizam tecnologias próprias para mediar o diálogo humano. No entanto a grande mídia provocar sempre a existência de uma organização e de um luxo tecnológico. É um tipo de diálogo, praticado por meio de organizações que aparecem na história da humanidade e formam um dos principais ícones da modernidade. Dois aspectos da comunicação da grande mídia são a produção centralizada e a sua única, integrada e padronizada de seus assuntos.
Já o termo nova mídia ajudará para constituir as comunicações cometidas mediante a rede mundial de computadores, ou seja, a internet. Ao inverso da grande mídia, a nova mídia viabiliza a comunicação on-line entre orador e receptador mediante aos computadores pessoais fixos ou móveis.

Política

A política, com seu principio clássico, provem da palavra grega, polis que quer dizer tudo que tem relação com a cidade, ao que é urbano civil e público. De maneira histórica, o conceito de política está ligado à prática do poder na conexão entre soberano e submisso e entre superioridade e o respeito.

 Dedução

 A grande mídia adquiriu um ambiente fundamental na sociedade contemporânea, e modificando técnicas de operação humana, e sobretudo, a área da política.
A ideia de centralidade foi empenhada nas Ciências Sociais semelhante a organizações, ideologias e princípios. Ela importuna a realidade de seu contraditório, lembrando que as imediações, o criminoso, o excluso, no entanto, aceita progressão de proximidade e deslocamento. Pessoas, organizações e ideologias e princípios podem ser de relatividade central. Uma suposição para falar no núcleo da grande mídia, nas comunidades é a realidade de um grupo nacional, resistência de telecomunicações. Até mais ou menos pouco tempo, próximo de 40 anos, o Brasil não se acomodar de uma mídia de obtenção nacional.
A perspectiva politica, o oficia medial da grande mídia, principalmente da eletrônica, especialmente a televisão, foi primeiramente reconhecida pelo Estado autoritário.
O oficio mais considerável se desempenha pela grande mídia que procede de sua capacidade de longo período na formação mediante da realidade do entendimento que se faz de muito caráter da vida humana das etnias. É, sobretudo, da política e dos políticos. É particularmente através da grande mídia em sua definição de que a política é formada alegoricamente. Não há política nacional sem grande mídia.
 A política, nos regimes democráticos, deveria ser um exercício com excelência pública e visível. É a grande mídia e apenas ela que tem a autoridade de explicar o que é público no globo contemporâneo. No Brasil, apesar de que a crise dos partidos seja durável tema de contenção, encontra-se um aceitável acordo sobre a histórica falta de uma herança partidária respeitável. Mudar-se com muita facilidade a pratica, por parte da grande mídia. O domínio do espaço convencional pela grande mídia é indicado como uma justificação das crises propagadas pelos partidos em muitos grupos políticos.

Conclusão

 O sistema de mídia em que utilizamos não é estático e expõem modificações que devem ser notadas pela potencialidade na afinidade com o sistema político e na pratica democrática, principalmente na conjuntura do sistema de mídia com baixa pluralidade externa e sem um jornalismo político e partidário significativo no desígnio nacional que motivem ao leitor expectativas de concorrência políticas. Entre as modificações relatadas no texto, estabelecida do jornal comercial e o apropriando fortalecimento de uma política conduzida para a variação interna. Esses aspectos estão claramente correlacionados e é viável pressupor que, em longo prazo, que se estabeleça semelhantemente um jornal de conhecimentos em detrimento do jornalismo de opinião e na situação de um pluralismo partidário sóbrio que incidir estar identicamente em procedimento de corporificação, um jornal político aberto à diversidade política e equilibrado em associação aos atores políticos. Tem sido apto considerável para o aumento da diversidade interna a profissionalização do jornalista, um procedimento já drasticamente respeitável, e a comparência entre a análise da mídia suficiente ativo, como o mirante da imprensa. Enquanto à televisão, é um meio vigorosamente regulado pela legislação eleitoral, semelhante a cobertura eleitoral de 1989 e a dos próximos anos, não há argumentação de que esse centro se democratizou, nos períodos eleitorais. A alternativa da Rede Globo de lucrar rapidamente na cobertura eleitoral, igualmente em 2002, poderá ser uma conexão inevitável atraída pela concorrência comercial e jornalística a meio de veículos eletrônicos e pela firmeza da cultura democrática. Em redução, as alterações em curso, boa parte da fração já é confiável pela literatura mais atual sobre a conduta da mídia nas ações eleitorais, estimular que não tenham trocado os aspectos de finalidade do sistema de mídia designam ataques, e pode contribuir para nos deixar mais confiante da ideia do pluralismo regulado em que as utilidades essenciais da imprensa em uma democracia, como esperar e supervisionar o poder, favorecer a alteração pluralista e motiva civicamente o individuo seja, de um ato, efetivo entre nós.
A grande mídia é claramente notável, mas não tem interesse na opinião pública, que a ela reivindicamos recentemente, esse mérito deve ser reconsiderado.
 Mas, a nova mídia conclui que uma das ameaças, durante a transformação não se termina, e omitir a existência do velho que vive e sobrevive e se encontra, mas objetivo em preservar seu antigo direito. Sendo uma verdade com muitas e matizadas extensões.

Referencias:



sábado, 26 de novembro de 2016

A ASCENSÃO DO TERRORISMO NA EUROPA





Ismael de Souza
Emanuel Douglas
Stefanny Martins 
Jacó da Conceição
Brenda Dias 


RESUMO: 

Nesse artigo, iremos tratar sobre um dos maiores problemas atuais, a expansão de grupos terroristas pelo mundo. Tornando-se uma preocupação internacional, será abordada as ideologias desses grupos, a intolerância e a xenofobia na Europa, como também o seu contexto histórico. Uma forma de trazer o entendimento sobre o que leva o egoísmo do homem a matar milhares de inocentes para conquistarem os seus objetivos em interesses políticos. 

PALAVRA-CHAVE: Europa; Terrorismo; Intolerância; Xenofobia; 
 
SUMMARY: 

In this article, we will address one of the biggest problems today, the expansion of terrorist groups around the world. As an international concern, it will address the ideologies of these groups, intolerance and xenophobia in Europe, as well as their historical context. A way of bringing understanding about what drives man's selfishness to killing thousands of innocents to achieve their political goals and interests.

KEYWORD: Europe; Terrorism; Intolerance; Xenophobia;

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/03/1754545-terrorismo-afeta-operadoras-da-europa-e-muda-destinos-para-o-verao.shtml


O terrorismo consiste no ato de violência para causar o medo e provocar opressão na sociedade, seus modos de ataques sejam com explosivos ou arma de fogo, têm como intuito causar pânico na população, esses radicais conquistam o poder em um determinado território e usam da força para formação de um "governo". Infelizmente a cada ano, o terrorismo vêm se expandindo desde o Estopim, a invasão do Império Romano ao Oriente Médio, até aos dias atuais. Por via das dúvidas, o terrorismo não era um tema bem tratado nas décadas anteriores por todo mundo, mas hoje vem sendo uma das principais preocupações para a segurança dos estados.  

Com um dos maiores acontecimentos históricos, foi o atentado world Trade Center, conhecido mundialmente como o atentado às torres gêmeas que foram assumidas pela Al Qaeda, onde tinham como líder o terrorista Osama Bin Laden e seu braço direito Saddam Hussein que levou os Estados Unidos a uma guerra longa e sangrenta, mas que aparentemente tomou um alívio depois da morte de Osama Bin Laden. O que preocupa o mundo na atualidade é o grupo extremista estado Islâmico que chocou o mundo nos últimos anos com seus ataques, mas o estado Islâmico ficou famoso pela sua forma cruel de matar seus prisioneiros, na maioria repórter que vão para descobrir um pouco mais sobre a guerra da Síria.

Ataque as Torres Gêmeas, no dia 11 de Setembro de 2001, após 15 anos do maior ataque terrorista da história norte americana, responsável pelo grupo Al-Qaeda sob liderança de Osama bin Laden:
 
Fonte: http://www.diariodobrasil.org/ex-piloto-e-ex-agente-da-cia-choca-o-mundo-nenhum-aviao-atingiu-as-torres-gemeas-eram-hologramas/


Cada grupo terrorista tem seu objetivo, a morte de homossexuais tem ideias advindas de Maomé, onde o mesmo diz: "A homossexualidade deve ser punida com a morte"... Chamando atenção pela forma que faz suas execuções, como: decapitação, carbonizado, arrasta a vitima em praça pública e entre outros... Existem diversas organizações terroristas e por incrível que pareça não faltam recrutas, mas por quê? Essas pessoas já cresciam em meios de preconceito e isto para eles é uma vingança onde seu principal objetivo é chamar a atenção de todos, matando pessoas inocentes é a melhor ideia.

A XENOFOBIA NA EUROPA

Percebemos ao longo dos anos, como a xenofobia e a intolerância vem crescendo na Europa. A xenofobia começa quando estrangeiros que migram para outro país são tratados com preconceito, pela sua diferença cultural ou religiosa. Na Europa, onde é muito forte a xenofobia, são utilizados de argumentos para justificar a realidade do preconceito e intolerância contra os imigrantes, uma dela são as questões econômicas, onde eles alegam que o mercado de trabalho torna-se muito mais intenso e difícil devido o aumento da oferta de mão de obra, mas quando paramos para analisar as formas que os imigrantes são inseridos em seus territórios, é inevitável que as condições ilegais desses imigrantes impeçam que eles façam parte da elite.  

Percebemos também que a Europa tem um medo muito grande em perder de suas tradições, o que se diz sobre a desnacionalização. Onde partidos de esquerdas são a favor da xenofobia com o receio da perda de sua essência da sociedade europeia. A Islamofobia é a desconfiança de que os muçulmanos sejam uma ameaça para as suas tradições nacionalistas, essa semelhança nasceu desde os atentados world Trade Center, e vem sendo usado do sensacionalismo dos meios de comunicação para disseminar a indiferença. 

O ISLAMISMO 

Fonte: http://www.icatolica.com/2015/11/o-islamismo-e-religiao-da-paz.html

Os muçulmanos na realidade são pessoas que seguem as doutrinas de Maomé presentes no livro sagrado, o Alcorão. Maomé ou Muhammad foi o fundador do islamismo, nascido na Arábia Saudita antigamente conhecida como Meca ficou órfão ainda jovem tendo que ser criado por seu tio, aprendeu sobre o monoteísmo ainda cedo aos 12 anos de idade com um monge Cristão que viera conhecer, aos 25 anos Maomé se casa com uma viúva como o homem da casa agora Toma posse dos negócios de sua mulher e nesse período já usava de meditações que é uma dessas práticas da doutrina islâmica, no ano de 610 d.C ele ouve o Arcanjo Gabriel em uma de suas meditações de acordo com a região islâmica e ele dizia para Maomé aprender e ensinar as escritas do Alcorão pregações eram muito famosas e logo virou o chefe religioso e militar após negociar com os tipos de Medina e árabes.
Grupos de fundamentalistas levam a sociedade a pensar que todas as pessoas muçulmanas ou com suas características sejam terroristas, mas sabemos que não é bem assim. As pessoas acabam sendo alienadas pelas mídias sócias, que difundem uma imagem deturpada que não mostra os interesses políticos que a por trás desses grupos, mas sim mostrando sempre a imagem de muçulmanos sempre revoltados e violentos.

O islamismo é a religião que mais está crescendo no mundo, com isso, a população islâmica vem crescendo constantemente na Europa, concentrando-se na Alemanha, na França, na Itália e no Reino Unido.

Mesmo com a crise imigratória na Europa, a população mais jovem e o controle da taxa de natalidade cooperaram para o aumento da população islâmica, já que a população europeia tem uma baixa taxa de natalidade, enquanto a população muçulmana e a população muçulmana que residem na Europa têm a taxa de natalidade maior e a imigração ilegal também seria um fator para o crescimento.

CONTEXTO HISTÓRICO DO TERRORISMO 

Fonte: https://newspressrelease.wordpress.com/2016/04/14/agencia-confirma-existencia-de-ameaca-de-terrorismo-ao-brasil/

Recorrendo a historia, podemos nos lembrar de que a diferença entre as culturas não é um problema atual, os judeus já sofreram bastante no passado, onde milhares foram exterminados em campos de concentração ao comando de Adolf Hitler. Os historiadores afirmam que os ataques terroristas difundiram do século I d. C. onde os sicários que eram judeus radicais atacavam pessoas que apoiava o governo romano, já no século XI encontramos relatos de um grupo de muçulmanos que também assassinavam pessoas do oriente médio. 

Desde o século XIX os grupos de terroristas tinham como objetivo em conquistar a sua liberdade em sociedade, eles são contra os regimes democráticos. E naquele período a sua principal ideia era ter um território sem o domínio do estado. Partindo dessa ideologia, nasceram vários grupos terroristas pelo qual se espalharam em vários por vários territórios, como uma forma de usar de atentados para força os estados que são alvos dos grupos extremistas. A história do terrorismo nasceu no século I depois de Cristo, mas foi no século XXI que veio uma grande propagação de atentados, século em que definitivamente o mundo passou a se preocupa com as ações desses grupos.

O terrorismo nos dias atuais é uma preocupação global. Visto que por meio da internet, as comunicações ficaram muito mais rápidas em comparação aos séculos passados. Nas manchetes diárias que assombram o mundo vemos que a Europa tem se tornado o centro dos ataques terroristas. Muitos fatores podem está influenciando, como sabemos a Europa é baseada na filosofia Grega, no qual foi constituído o Ocidente e se refletiu na cultura, política, ética e também na democracia, ideias essas que são contrarias aos objetivos de extremistas. Grupos como Baader-Meinhoff na Alemanha, AL-Fatah no Oriente Médio são grupos que usam da violência para conquistar seus interesses políticos atualmente. Desde crianças já crescem na crença, são preparados para matar e morrer. São ensinadas a lutar por Deus e pelo estado islâmico, desde cedo essas crianças são doutrinadas a praticar violência e são treinadas para participarem de atentados. 


Os islâmicos baseiam-se no livro alcorão, escrito pelo profeta Maomé criou a lei sharia, eles usam essa lei para praticar a violência, este livro (alcorão) tem como objetivo converter todas as religiões para o islamismo nele tem escrito, por exemplo, que a punição para homossexualidade deve através da morte.  As pessoas contraditórias são executadas de forma cruel. Para todo atentado existe uma causa como a justificativa da Al Qaeda, onde os seus ataques é mais por questão política, A Isis (estado Islâmico) é por questões religiosas.                      

Muito de diz que a vendas de petróleo e gás é o principal financiamento para custear a compra de tecnologia, dessa forma que eles adquirem armas e explosivos modernos para fortalecer os seus militantes. 

GRUPOS TERRORISTAS 

 1-AL-QAEDA

Responsável pelo atentado das torres gêmeas ficou conhecido internacionalmente como um dos grupos mais perigosos. Sabemos que O EUA após os atentados, passou a desenvolver políticas negativas aos muçulmanos, ocorreram muitas restrições então, o grupo como fundador Bin Laden possui militantes em varias países pelo mundo, hoje Osama Bin Laden encontra-se morto após um esquema estratégico que o capturou pela Marinha do EUA. 

2-BOKO HARAM

Boko Haram situados na Nigéria são baseados em ideologias do fundamentalismo religioso, no qual são contra as doutrinas do ocidente, grupo fundado por Mohammed Yusuf tem o objetivo de conquistar uma república islâmica. Analisando esses grupos até o momento, percebemos como eles utilizam da opressão e ameaça para conquistar de uma forma autoritária e ditatorial os seus objetivos, esses grupos cada vez mais estão conquistando território e alienando novos militantes, tornando um perigo para segurança internacional. 

3-ESTADO ISLÂMICO

O Estado Islâmico, conhecido pela sigla EIIS são fundamentalistas que utilizam do livro Islã para justificar o radicalismo praticado contra a sociedade. São pessoas de doutrina autoritárias, e que impõem os valores que devem ser seguidos. O principal objetivo desse grupo, difundido da Al-Qaeda, eles desejam dominar a região com sucessores de Maomé. Rompendo com a liberdade, a extinção de homossexuais, assim como também regras sobre as vestimentas femininas. Cidade como, Tal Afar, Kirkuk, Mossul, são locais de atuação desse grupo. 

São muitos conceitos para o terrorismo, o uso da violência apenas é uma forma de causar o alarde nas mídias internacionais em intimidar a nação ou inimigos não estatais, percebemos quando vemos que suas vitimas muitas das vezes são mortas simplesmente por estarem no local errado e numa hora em que ocorrem ataques de grupos. Os estados possuem seus interesses diversos, e isso já não é novidade que influencia negativamente em brigas políticas. A incitação à violência infelizmente vem causando milhares de mortos pelo redor do mundo.

ATENTADOS TERRORISTAS RECENTES NA EUROPA

Fonte: http://gilmar.blogosfera.uol.com.br/2015/09/03/imigracao-na-europa/

Em 2015, recorrendo aos conflitos na síria mais de 4 milhões de pessoas buscaram refugio na Europa, países como Alemanha, Suécia, Hungria e entre outros foram destino de muitos refugiados. Como já havíamos comentado nesse artigo, a xenofobia com os imigrantes é tão intensa que de nada fizeram para legalizar a entrada desses imigrantes, a segurança internacional após analises, alertou sobre a possível infiltração de militantes pertencentes a grupos de terroristas aproveitarem o acontecimento para adentrar de uma forma mais fácil em território europeu. 
Fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/um-ano-apos-massacre-do-charlie-hebdo-franca-se-mostra-dividida.html

No dia 7 de Janeiro de 2015, 12 pessoas morreram em Paris na Rua Nicolas-Appert, onde se localiza o Jornal Charlie Hebdo. O atentado foi motivado após uma publicação de uma charge insultando os islamistas. Uma forma não muito interessante para combater a risco sobre as ideologias dos extremistas, provocando ainda mais por meio da liberdade expressão a ira de grupos que passaram desde 2002 persegui o jornal.

CONCLUSÃO

 Atos criminosos pretendidos ou calculados para provocar um estado de terror no público em geral, num grupo de pessoas ou em indivíduos para fins políticos são injustificáveis em qualquer circunstância, independentemente das considerações de ordem política, filosófica, ideológica, racial, étnica, religiosa ou de qualquer outra natureza que possam ser invocadas para justificá-los. - Declaração sobre Medidas para Eliminar o Terrorismo Internacional. [1]


O terrorismo na Europa não é um assunto atual, ele parte deste um contexto histórico que influenciou demasiadamente na geração atual que se sustentam a base de seus interesses políticos. A imigração na Europa pode ser sim uma das causas que vem fortemente agravando esses ataques, mas percebemos que a outro problema devido à xenofobia contra os imigrantes. O que acontece é que os países não buscam soluções para combater o terrorismo, se mostrando de um estado fraco para resolver os problemas que afetam a segurança. 

Há intolerância religiosa de grupos que utilizam de um livro sagrado para justificar o ódio é totalmente contraditória da verdadeira filosofia da religião. O que nunca vai resolver é esperar cada vez mais grupos se fortalecendo e comprometendo a segurança de todos, é preciso da união dos países para encontrar possíveis soluções para combater os ataques terroristas pelo globo. O Brasil não escapa de ser um futuro alvo desses ataques, precisamos pensar mais em fortalecer a segurança nacional enquanto o ódio cada vez mais é proliferado pela sociedade.

Citação:

[1] https://nacoesunidas.org/acao/terrorismo/

Bibliografia:

Conexão Paris, 2015. Disponivel em: <https://www.conexaoparis.com.br/2015/01/08/por-que-cibla-do-atentado-foi-charlie-hebdo/>. Acesso em: 25 novembro 2016.

CARVALHO, L. Brasil Escola. Uol. Disponivel em: <http://brasilescola.uol.com.br/historia/terrorismo.htm>. Acesso em: 21 Novembro 2016.

G1. G1 Mundo. Globo.com, 2015. Disponivel em: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/03/refugiados-sirios-sao-48-mi-em-paises-vizinhos-e-900-mil-na-europa-diz-onu.html>. Acesso em: 26 novembro 2016.

NOTICIAS, D. D. DN, 24 março 2016. Disponivel em: <http://ccs.infospace.com/ClickHandler.ashx?encp=ld%3d20161126%26app%3d1%26c%3dsosodesk%26s%3dbysenda%26rc%3dsosodesk%26dc%3d%26euip%3d177.136.120.242%26pvaid%3d7b455fe7028d47c8aaf4e72e0653d050%26dt%3dDesktop%26fct.uid%3d847b19a78c9041d49e16edb880613966%26>. Acesso em: 18 novembro 2016.

OSHIMA, F. Y. Época. Globo.com, 28 Março 2016. Disponivel em: <http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2016/03/terrorismo-o-teto-de-vidro-da-europa.html>. Acesso em: 22 Novembro 2016.


RINCÓN, M. L., 2016. Disponivel em: <http://www.megacurioso.com.br/cotidiano/99622-por-que-a-franca-virou-alvo-dos-ataques-terroristas-que-ocorrem-na-europa.htm>. Acesso em: novembro 2016.
 


MARTINS, E. Cola da Web, 2015. Disponivel em: <www.colladaweb.com/historia/terrorismo>. Acesso em: 24 novembro 2016.


Fotos retiradas da internet.